AHDig: 100 participantes

 

AHDig_100_novoA AHDig, fundada em outubro de 2013, chegou neste mês de julho de 2014 aos 100 participantes inscritos.

Esta é uma grande conquista para a Associação, e marca um momento propício para fazermos um balanço do nosso perfil coletivo, e, principalmente, para planejarmos nosso futuro.

Para dar partida aos debates, trazemos aqui um breve panorama quantitativo sobre essas primeiras inscrições – logo mais, apresentaremos uma reflexão mais detida sobre os projetos e as propostas de debates trazidas por cada participante da rede.

Nesse aspecto mais panorâmico, é interessante notar que entre nossos 100 primeiros participantes há pesquisadores de cinco países, trinta e cinco instituições e vinte e três áreas do conhecimento; as Figuras 1, 2 e 3, que descrevemos mais adiante, ilustram esse universo em maior detalhe.

Nossa rede, de fato, forma agora um universo extremamente interessante e diverso. Os projetos trazidos pelos participantes em suas inscrições – alguns já incluídos na Rede AHDig, outros ainda a serem listados – representam iniciativas de pesquisa originais e relevantes para a área das Humanidades Digitais, como pretendemos debater em um próximo post.

Por ora, queríamos apenas mostrar um pouco do nosso levantamento em andamento, e manifestar nossa satisfação pelo crescimento da Associação nesses primeiros nove meses – um tempo de gestação completo, do qual ainda podemos esperar bons frutos.

Abraços a todos,

Maria Clara Paixão
pela Comissão de Fundação

Levantmento inicial – O universo dos 100 primeiros inscritos

dados_ahdig_6765_image001
Figura 1 – Participantes por países (clique para ampliar)

A maioria dos participantes da AHDig está radicada no Brasil (com sessenta membros) e em Portugal (vinte e nove membros), mas temos também um participante na Espanha, um na Argentina e um nos Estados Unidos (Figura 1).

Trinta e cinco instituições de ensino e pesquisa de cada um desses países estão representadas no nosso painel de participantes: a Universidade de São Paulo conta com vinte participantes, a Universidade Estadual de Feira de Santana com nove, a Universidade Nova de Lisboa com oito membros, a Universidade de Lisboa e Universidade Estadual de Campinas com sete participantes cada uma, a Universidade de Évora com cinco participantes, a Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia e a Universidade Federal do Ceará com quatro participantes cada uma, e a Universidade Federal de São Paulo conta com dois participantes. Outras vinte e três instituições de ensino e pesquisa são representadas com um participante cada uma, e três dos participantes da rede são independentes (Figura 2).

O quadro por áreas do conhecimento se distribui por vinte e três grandes temas, sendo as áreas mais densamente populadas a História, em que atuam vinte e dois de nossos participantes, a Linguística, dezoito participantes, a Filologia e a Linguística Histórica, doze, a Ciência da Informação, oito, a Educação, onde atuam seis participantes, a Arqueologia, a Arquivística e os Estudos Literários com três participantes cada uma, as áreas de Artes, Estudos de Mídia, Computação e Linguística Computacional com dois participantes em cada uma, e mais sete áreas representadas por um participante  – Antropologia, Engenharia Informática, Estudos do gênero, Museologia, Música, Produção Cultural e Teologia (Figura 3).

 Figura 2 - Participantes por Instituições

Figura 2 – Participantes por Instituições (clique para ampliar)
Figura 2 - Participantes por Áreas
Figura 2 – Participantes por Áreas (clique para ampliar)

Associações em Humanidades Digitais: alguns exemplos

Quais são, onde estão, e como funcionam as “Associações em Humanidades Digitais” no mundo?

Essas perguntas movem uma pesquisa que estamos realizando, no âmbito da AHDig, como uma das primeiras medidas no sentido de dar forma e corpo à nossa recém-criada rede de pesquisas.

Aqui mostramos alguns resultados preliminares da nossa investigação – ressaltando, antes de tudo, que essas são  perguntas difíceis de serem respondidas, pois os agrupamentos formados em torno desse campo parecem tomar formas tão variadas quantas são as concepções em torno do próprio campo.

De um modo geral, vemos que as diversas Associações procuram aglutinar, definir e de alguma maneira “chancelar” as iniciativas em Humanidades Digitais, e podem tanto tomar a forma de sociedades científicas tradicionais como funcionar como redes virtuais sem existência jurídica ou formal.

Um grande impulso no sentido de um agrupamento global das associações em humanidades digitais foi a criação da ADHO, Alliance of Digital Humanities Organizations (ADHO), http://ahdo.org, organização que congrega as diversas iniciativas em Humanidades Digitais desde 2002. A ADHO lista as seguintes Associações como membros constitutivos:

A ADHO tem como linhas principais apoiar e guiar a formulação de projetos, abrigar periódicos e outras publicações e promover conferências e encontros científicos. A Aliança tem origem, de fato, já na primeira conferência chamada “Digital Humanities”, realizada em 1989, como uma ação conjunta da ACH e da ALLC. Desde 1990, a conferência tem sido realizada anualmente.

http://www.globaloutlookdh.orgAlém disso, a Aliança inclui alguns projetos e grupos de interesse especial, como o  Global Outlook::Digital Humanities (GO::DH), http://www.globaloutlookdh.org/, que se define como uma comunidade de interesses com o propósito de discutir e promover estratégias para derrubar as barreiras que dificultam a comunicação e a colaboração entre pesquisadores das humanidades digitais ao redor do mundo, em particular considerando as diferenças que separam projetos em países com economias mais e menos desenvolvidas.

A ADHO e suas associações constituintes – ACH, ALLC, CSDH/SCHN, aaDH, JADH, e mesmo o centerNet, funcionam como sociedades científicas em moldes tradicionais no que remete às formas de associação – ou seja, os membros de cada um desses grupos são sócios da iniciativa, pagando uma taxa anual que se converte em benefícios como descontos em conferências e assinaturas de periódicos, entre outros. Os membros da ALLC e da ACH, por exemplo, são os assinantes do periódico Literary and Linguistic Computing (LLC), http://llc.oxfordjournals.org. Outras iniciativas – como o próprio GO::DH, que é parte da AHDO – funcionam como redes virtuais, sem uma política efetiva de sociedade; no caso do GO::DH, por exemplo, a particpação é efetivada pela assinatura de uma lista de discussão por emails.

A AHDO e suas constituintes são um bom exemplo de associações bem estabelecidas, algumas delas com mais de vinte anos de funcionamento – e que se definem por recortes regionais: há a associação europeia, a canadense, a asiática, etc. Não há, como se vê, uma associação regional definida na América do Sul.

Screenshot 2013-11-12 06.39.54Recentemente, entretanto, tem surgido associações regionais no nosso continente – é o caso da Asociación Argentina de las Humanidades Digitaleshttp://aahd.com.ar/, que está em processo de formação neste ano de 2013. Pela proximidade geográfica, cultural e mesmo “temporal” que une as duas iniciativas (já que os processos de formação estão se dando em períodos paralelos), a AHDig acompanha com grande interesse a formação da AAHD.

A AHDig  tem como particularidade não ser exatamente uma associação “regional”, visto que o recorte que escolhemos é o da língua, e não o do território – como explicamos na nossa Declaração de Fundação. Assim, entre nossos participantes há pesquisadores de Portugal e do Brasil, além de pesquisadores de outros países que se interessam pela pesquisa em língua portuguesa – esperamos, de fato, que essa diversidade “territorial” venha a se expandir ainda mais. Essa característica do recorte linguístico-cultural, mais que regional, certamente traz alguns desafios particulares.

Screenshot 2013-11-12 06.42.05Nesse aspecto, podemos listar como iniciativa análoga a Associação Humanidades Digitales Hispánicas,  http://www.humanidadesdigitales.org, entidade internacional que procura congregar as iniciativas no campo das HD partindo do recorte da língua espanhola.

Screenshot 2013-11-12 06.43.29Uma segunda iniciativa de reunião a partir do recorte da língua e da cultura hispânicas é a RedHDhttp://humanidadesdigitales.net, que se define como uma rede de comunicação com os objetivos de “promover e fortalecer a investigação humanística e a computação, com especial ênfase na pesquisa e educação em países de fala hispânica”.

Entre os desafios das associações internacionais, quando formadas em moldes tradicionais de sociedades científicas, está a questão da “sede”; na AHDig, teremos que discutir, quando da formulação de nosso estatuto, onde localizar nossa sede jurídica, entre outros detalhes burocráticos; onde e como nos reuniremos, etc. A HDH, por exemplo, segue um modelo interessante de sociedades internacionais: sua sede é rotativa, sendo definida, em períodos determinados, como o local onde se realizam seus principais congressos e seminários ou como o local de residência do atual secretário (cf. Artículo 4 do estatuto da HDH).

Entretanto, e como dissemos mais acima, há agrupamentos em torno das Humanidades Digitais que não chegam a constituir-se como “sociedades” formalmente reguladas – é o caso emblemático (por exemplo) do portal Digital Humanities Nowhttp://digitalhumanitiesnow.org/. Em um próximo post, abordaremos essa forma de rede em particular.

Na AHDig, estamos em momento de estudar as diferentes formas de reunião no campo das Humanidades Digitais, e de refletir sobre as diretrizes que melhor se adequariam aos nossos objetivos particulares.

Enquanto realizamos esse estudo, vamos já formando uma rede de colaboração e comunicação, que – como se pode ver pelo andamento da nossa página Participantes – cresce a cada dia. Acreditamos que, pensando em conjunto, chegaremos a um bom modelo!

Breve histórico da AHDig

A ideia de formar uma associação para reunir pesquisadores envolvidos nas chamadas “Digital Humanities” no universo da língua portuguesa veio de algumas conversas durante as reuniões do Grupo de Pesquisas Humanidades Digitais, na Universidade de São Paulo, tomou corpo ao longo da organização do Dia das Humanidades Digitais em Português e Espanhol, e concretizou-se durante dois eventos importantes no segundo semestre de 2013, a I Oficina sobre Construção e Uso de Grandes Corpora e o I Seminário Internacional em Humanidades Digitais no Brasil.

A primeira reunião geral para a criação da Associação foi realizada em 12 de setembro de 2013, durante a I Oficina sobre Construção e Uso de Grandes Corpora, realizada na Universidade Estadual de Campinas. Na ocasião, um grupo pesquisadores reunidos em torno dos desafios envolvidos no desenvolvimento da ferramenta de edição eletrônica eDictor declarou, em sessão especial, seu apoio à criação da Associacão, então batizada de AHDig – Associação das Humanidades Digitais. Estiveram presentes vinte pesquisadores, representando quatro Universidades brasileiras (USP, UNICAMP, UEFS E UESB) e a Universidade de Lisboa. Nessa sessão, além de escolher o nome da Associação e debater as linhas gerais de seu funcionamento futuro, decidiu-se que uma sessão oficial de fundação da Associação deveria ser realizada em outubro, por ocasião do Seminário Internacional organizado pela equipe da USP.

Em 22 de outubro de 2013, foi realizada uma segunda reunião, ainda com o objetivo de discutir as linhas gerais do funcionamento da nova Associação e de deliberar sobre as providências para sua fundação. Desta vez reunidos na Universidade de São Paulo, estiveram presentes oito pesquisadores de três univesidades Brasileiras (USP, UNIFESP e UNICAMP) e de três universidades portuguesas (Universidade de Lisboa, Universidade Nova de Lisboa e Universidade de Évora), além de pesquisadores de outras instituições no Canadá, na França, na Espanha e em Israel, que colaboraram com suas idéias e suas experiências em organizações ligadas às Humanidades Digitais naqueles países.

2013-10-25_AHDig
Fundação da AHDig – São Paulo, 25/10/2013

Finalmente, em 25 de outubro de 2013, no encerramento do I Seminário Internacional em Humanidades Digitais no Brasil, foi oficialmente fundada a  AHDig., Associação das Humanidades Digitais, com a presença dos participantes do seminário e da Comissão de Fundação, que havia sido apontada em 22 de outubro como responsável pela implementação inicial das atividades no grupo.

Assim, a AHDig conta, hoje [5 de novembro de 2013], com um grupo de vinte e seis participantes, que corresponde ao conjunto dos pesquisadores que estiveram presentes em uma das três reuniões de criação da Associação. Nossa ideia é que esse grupo se amplie, para que a Associação possa começar a caminhar na direção do objetivo central colocado na nossa Declaração de Fundação: o de formar como uma rede de colaboração entre pesquisadores unidos pela língua portuguesa e pela inclusão da perspectiva digital em seus horizontes de pesquisa.

Inicialmente, funcionaremos como uma rede virtual, por meio deste espaço e de uma lista de discussões a ser implementada em breve. Até o início de 2014, a Comissão de Fundação tem como tarefa apresentar uma proposta para o funcionamento consolidado da Associação, deliberando seus mecanismos futuros de filiação e as atividades que serão abrigadas na entidade.

Convidamos a todos os que se identificam com o campo das Humanidades Digitais a participar dessa primeira etapa das atividades!

Escreva para ahdig.portugues[arroba]gmail.com, ou preencha nosso formulário de adesão, aqui.